Transfer Pricing brasileiro e os impactos do BEPS

Por Rogerio Borili, vice-presidente da Becomex

Uma discussão liderada pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), com o objetivo de realizar uma espécie de reforma tributária internacional, deu origem ao relatório do BEPS (Erosão de Base Tributária e Transferência de Lucros).  O propósito era inibir a guerra fiscal entre países e assim reduzir as inconsistências jurídicas e evitar que as bases tributáveis sejam manipuladas pelas corporações multinacionais.

O BEPS funciona como uma espécie de controlador de preços entre transações de importação e exportação de empresas do mesmo grupo, em contraponto ao mercado, garantindo a uniformidade entre eles. Esse projeto global está baseado em três pilares:

1º Coerência: padronização do tratamento fiscal entre países;

2º Substância: garantir que a declaração dos resultados aconteça no país onde ocorre a operação;

3º Transparência: tornar o processo mais claro, com legislações mais evidentes e documentadas e com maior cooperação intergovernamental. A partir daí, foi criado então, um plano com 15 ações para enfrentar as transferências e lucros para países com tributação reduzida:

 

Mas qual é o impacto destas ações sobre a obrigação fiscal que as empresas importadoras e exportadoras multinacionais enviam todos os anos à Receita Federal, o Transfer Pricing?

O Transfer Pricing é um dos pilares desse controle para evitar que as empresas mascarem os seus resultados usando operações entre empresas coligadas. Apesar de ser não ser membro da OCDE, o Brasil é signatário do projeto BEPS, o que tem despertado a hipótese de mudanças na obrigação, seguindo para a linha da OCDE.

A verdade é que nada mudou! Ser signatário não altera em nada as regras dessa obrigação no Brasil. A apuração do Preço de Transferência continua a mesma de sempre. Sem alterações. As pouquíssimas mudanças realizadas não afetaram a apuração dessa obrigação na prática.

O mais relevante foi a instituição do relatório país-a-país no Bloco W da ECF. No Brasil, cerca de 50 empresas brasileiras são controladoras finais e, por isso, devem preencher esse novo bloco com as informações consolidadas do balanço fiscal do seu grupo econômico na sua ECF.

Essas informações serão entregues à Receita Federal brasileira que compartilhará com as demais administrações tributárias, também signatárias do acordo da OCDE, para troca automática de informações tributárias entre países. Por isso, as empresas precisam estar cada vez mais alinhadas com suas matrizes.

É importante reforçar que, apesar das diversas ações do BEPS voltadas para o tema preço de transferência, ao menos por hora, não temos nenhuma ação prática que afete o Brasil, visto que nossa legislação permanece sem alteração. Mesmo o Brasil tendo se candidatado a membro da OCDE, as perspectivas de mudança são muito distantes,

Desta vez, há fumaça, mas não há fogo! Ao invés de esperar mudanças que estão longe de ocorrer no seu Preço de transferência, concentre seus esforços em transformá-lo em estratégia na sua empresa. Ele pode te ajudar a identificar oportunidades e balancear as margens junto a área comercial, suprimentos, logística, comércio exterior, financeira, custos e produção. Portanto, o Transfer Pricing não muda, mas ele pode mudar sua empresa para melhor!

*Rogério Borili é vice-presidente da Becomex, uma consultoria especializada na área tributária e operações internacionais

Você pode gostar também:

2 thoughts on “Transfer Pricing brasileiro e os impactos do BEPS”

  1. Excelente matéria, mostra como utilizar o Transfer Pricing na estratégia da Empresa.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Notícias do Mercado

Marketing em tempos de crise

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Vídeos

Supply Talks#02

No Supply Talks#02, os hosts Alex Leite e Cássio Azevedo tiveram um bate-papo com a convidada Mônica Granzo, Founder e CEO da Smarkets.

LiveCast#62

No LiveCast#62, os hosts Henrique Gasperoni e Alex Leite tiveram um bate-papo com a convidada Mariel Orsi Gameiro, Conselheira no CARF e com o co-host Ronaldo Apelbaum, CEO e Sócio Fundador da APGI Advogados

Supply Talks#01

No Supply Talks#01, os hosts Alex Leite e Henrique Gasperoni tiveram um bate-papo com o convidado Eduardo Nishimoto, Head Comercial e BU Supply na Autopel, empresa focada em prover soluções para automação em suprimentos.

3 PRINCÍPIOS para desenvolver novas competências com Alex Leite

Discutido por pensadores e profissionais, a competência é a capacidade resultante de profundo conhecimento que alguém domina sobre certo assunto, gerando benefícios para uma pessoa ou organização. Mas você sabe como adquiri-la?

Pico-fim e a experiência do cliente com Rafael Scucuglia

A experiência do cliente, de forma resumida, pode ser definida como um conjunto de emoções vividas pelo consumidor nas interações com a empresa, produto, marca ou serviço, ao longo de sua jornada. Mas, como saber a relevância dessas interações na memória do cliente, quando precisam ser acessadas para tomar novas decisões?

Fique atualizado!

Assine nossa News e fique por dentro das principais matérias da Live University

Fique por dentro das principais tendências do mercado!

🚀 O evento começa em:

Dias
Horas
Minutos