TECNOLOGIA E ESG: UMA PARCERIA DE SUCESSO

Bruno Soares

Bruno Soares

Quando tecnologia e ESG andam juntos, as chances de sucesso na implementação de boas práticas aumentam. Entenda essa relação.

Na busca por atender às questões envolvendo meio ambiente, impacto social e governança corporativa, as organizações buscam implementar boas práticas e mudar seus processos internos. Nesse contexto, tecnologia e ESG se mostram uma combinação ideal para o sucesso.

O ESG traz diretrizes que as empresas utilizam para minimizar impactos ambientais, construir um mundo mais justo e preservar os melhores procedimentos administrativos. E, assim como ocorre nas mais diversas áreas de uma organização, a tecnologia pode ter um papel vital.

Quer entender melhor como a tecnologia e ESG podem ser combinados?

O que é ESG?

ESG é um conceito que promove boas práticas baseadas em três pilares: environmentalsocial e governance.

Environmental – Ambiental. Analisa o impacto do consumo de recursos de qualquer empresa no meio ambiente, como pegada de carbono e descarte de água residual, entre outras atividades de impacto ambiental.

Social – Analisa como a empresa interage com as comunidades onde opera. Também analisa as políticas internas relacionadas a diversidade, inclusão, entre outras

Governance – Governança. Refere-se a práticas e políticas internas que levam a uma tomada de decisão eficaz e conformidade legal. O ESG facilita o crescimento da receita no longo prazo, atrai talentos, reduz custos e cria um sentimento de confiança entre os consumidores.

Como combinar tecnologia e ESG?

Para melhorar o desempenho e facilitar a adesão de boas práticas, as empresas podem combinar tecnologia e ESG. Afinal, a tecnologia tem o potencial de revolucionar a gestão tradicional da sustentabilidade por meio da automação de processos existentes, inteligência e insights baseados em dados e comunicação entre uma empresa e seus vários stakeholders.

Veja como pode ser feita a combinação de sucesso entre tecnologia e ESG:

1 – Melhoria da visibilidade do desempenho

Cientes das mudanças no clima de investimento, as empresas estão definindo metas eficazes para melhorar o desempenho em práticas de ESG. No entanto, quando os dados não estão prontamente disponíveis, torna-se difícil para uma empresa rastrear seu desempenho.

Com a ajuda da tecnologia, as organizações podem agilizar seus processos, coletar e visualizar dados em uma única plataforma. A integração da tecnologia permite às empresas não apenas identificar as áreas de alto desempenho, mas também os pontos fracos que requerem mais atenção, abrindo caminho para melhorias e correção de curso.

2 – Coleta de dados de alta qualidade

Os dados de ESG geralmente estão espalhados por vários departamentos e localizações geográficas, dificultando a coleta. Mesmo quando os dados são coletados, a qualidade e a precisão desses dados são suspeitas.

A combinação de tecnologia e ESG permite que as empresas digitalizem todo o processo de coleta de dados e rastreiem os dados de volta à sua fonte. Além disso, os documentos de auditoria coletados no processo servem como solução de prova para a confiabilidade dos dados. A automação facilita a geração de relatórios, dando aos gerentes de sustentabilidade mais tempo para se concentrar nos principais riscos e oportunidades.

3 – Comunicação eficaz com investidores, clientes e funcionários

O relatório de sustentabilidade de uma empresa atende a vários públicos, como investidores, clientes e funcionários – cada um com seu próprio conjunto de expectativas. Enquanto os investidores estão interessados em questões ESG que afetam financeiramente uma empresa, clientes e funcionários estão mais interessados no desempenho geral de uma empresa com relação a ESG.

Usando a tecnologia, os dados podem ser facilmente priorizados para atender às necessidades de diferentes grupos. Sites, painéis e infográficos dinâmicos são alguns exemplos de maneiras pelas quais as organizações podem envolver seus stakeholders. A comunicação eficaz se traduz em maior transparência e maior confiança entre as partes interessadas.

4 – Colaboração com todas as partes interessadas

A tecnologia pode ser aproveitada para remover a barreira de comunicação entre a empresa e suas partes interessadas e trabalhar de forma colaborativa. Ao permitir uma comunicação contínua, a tecnologia ajuda a economizar tempo, dinheiro e esforço em todo o ciclo de vida do ESG.

A inclusão de partes interessadas no processo de relato tem dois benefícios principais. Primeiro, permite que as empresas aprendam mais sobre suas necessidades e desejos, resultando em melhores relatórios. Em segundo lugar, também gera um sentimento de pertencimento entre as partes interessadas e faz com que se sintam valorizadas. Assim, a integração da tecnologia pode levar os relatórios ESG de uma empresa para o próximo nível.

5 – Aplicação de critérios de ESG na área fiscal

Uma parte importante da governança corporativa está relacionada ao cumprimento de todas as obrigações fiscais e tributárias da empresa. Neste quesito, a tecnologia também exerce um papel de grande importância – trazendo ferramentas de automação que permitem alcançar o compliance fiscal com mais eficiência.

Além dos fatores mencionados, vale lembrar que a tecnologia facilita a adoção de práticas sustentáveis. Afinal, com o uso de plataformas digitais, evita-se o uso de papéis e outros materiais de escritório, minimizando o impacto ambiental. Por isso, não tenha dúvida: tecnologia e ESG formam uma parceria de sucesso para empresas que querem aumentar o valor de mercado e se destacar frente a investidores.

Por: Dootax

Você pode gostar também:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Notícias do Mercado

Marketing em tempos de crise

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Vídeos

Supply Talks#02

No Supply Talks#02, os hosts Alex Leite e Cássio Azevedo tiveram um bate-papo com a convidada Mônica Granzo, Founder e CEO da Smarkets.

LiveCast#62

No LiveCast#62, os hosts Henrique Gasperoni e Alex Leite tiveram um bate-papo com a convidada Mariel Orsi Gameiro, Conselheira no CARF e com o co-host Ronaldo Apelbaum, CEO e Sócio Fundador da APGI Advogados

Supply Talks#01

No Supply Talks#01, os hosts Alex Leite e Henrique Gasperoni tiveram um bate-papo com o convidado Eduardo Nishimoto, Head Comercial e BU Supply na Autopel, empresa focada em prover soluções para automação em suprimentos.

3 PRINCÍPIOS para desenvolver novas competências com Alex Leite

Discutido por pensadores e profissionais, a competência é a capacidade resultante de profundo conhecimento que alguém domina sobre certo assunto, gerando benefícios para uma pessoa ou organização. Mas você sabe como adquiri-la?

Pico-fim e a experiência do cliente com Rafael Scucuglia

A experiência do cliente, de forma resumida, pode ser definida como um conjunto de emoções vividas pelo consumidor nas interações com a empresa, produto, marca ou serviço, ao longo de sua jornada. Mas, como saber a relevância dessas interações na memória do cliente, quando precisam ser acessadas para tomar novas decisões?

Fique atualizado!

Assine nossa News e fique por dentro das principais matérias da Live University

Fique por dentro das principais tendências do mercado!

🚀 O evento começa em:

Dias
Horas
Minutos