Home office em tempos de crise – Dicas para uma gestão de pessoas mais eficiente

Viviane Burdinski

Viviane Burdinski

O Grupo Travelex Confidence é composto por uma corretora e um banco de câmbio com mais de vinte anos no mercado. São 120 lojas espalhadas pelos principais shoppings de todo o Brasil, onde trabalham cerca de 750 colaboradores. 

De todos os setores afetados pela pandemia desde março do ano passado, o de turismo certamente foi o mais impactado. Para as casas de câmbio, além dos reflexos naturais sofridos pelo congelamento de praticamente qualquer tipo de viagem, ainda foi necessário encontrar uma solução para as lojas que funcionavam em shopping e todos foram fechados com o lockdown. 

A primeira atitude tomada pela Travelex foi a transferência para home office dos colaboradores de escritório e administrativo. Já para os funcionários de varejo foi decretada férias coletivas. 

Surge a necessidade de um plano para enfrentar a crise

 

Com o fim das férias coletivas e ainda sem nenhuma previsão de normalidade das atividades comerciais, a equipe administrativa buscou formas de retomar o trabalho. Durante três semanas  os setores de tecnologia e recursos humanos trabalharam incansavelmente para estruturar a iniciativa, que foi chamada Task Force 400. 

A primeira atitude da empresa foi tranquilizar os colaboradores, que estavam aflitos com a incerteza com a retomada das atividades. O setor comercial foi todo transferido para home office e distribuído em squads, trabalhando sempre com grupos pequenos de pessoas, para facilitar a comunicação e acompanhamento que teria que ser feito de forma digital. 

Os clientes passaram a ser contactados por whatsapp e email. O resultado foi surpreendente.”As 377 pessoas envolvidas contactaram durante o período do projeto mais de 500 mil clientes. Trouxeram uma receita de mais de 1 milhão de reais em novos negócios, num momento em que estava tudo absolutamente parado”, explica Paula Giannetti, Executive Director HR & Comms do Grupo Travelex Confidence

A pandemia certamente exigiu um grande esforço por parte das empresas e funcionários para manter o mercado de trabalho ativo. Quem iria imaginar que uma tradicional rede de câmbio poderia migrar 100% das suas operações para home office? 

É claro que o processo de adaptação não foi fácil, mas muitos aprendizados foram conquistados com essa experiência. A gestão à distância, apesar de desafiadora, se tornou possível. E através dessa nova forma de trabalho, o espírito de equipe e troca entre os colaboradores foi extremamente fortalecido. 

Clique aqui para conferir a palestra na íntegra!

 

Você pode gostar também:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Notícias do Mercado

Marketing em tempos de crise

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Vídeos

Supply Talks#02

No Supply Talks#02, os hosts Alex Leite e Cássio Azevedo tiveram um bate-papo com a convidada Mônica Granzo, Founder e CEO da Smarkets.

LiveCast#62

No LiveCast#62, os hosts Henrique Gasperoni e Alex Leite tiveram um bate-papo com a convidada Mariel Orsi Gameiro, Conselheira no CARF e com o co-host Ronaldo Apelbaum, CEO e Sócio Fundador da APGI Advogados

Supply Talks#01

No Supply Talks#01, os hosts Alex Leite e Henrique Gasperoni tiveram um bate-papo com o convidado Eduardo Nishimoto, Head Comercial e BU Supply na Autopel, empresa focada em prover soluções para automação em suprimentos.

3 PRINCÍPIOS para desenvolver novas competências com Alex Leite

Discutido por pensadores e profissionais, a competência é a capacidade resultante de profundo conhecimento que alguém domina sobre certo assunto, gerando benefícios para uma pessoa ou organização. Mas você sabe como adquiri-la?

Pico-fim e a experiência do cliente com Rafael Scucuglia

A experiência do cliente, de forma resumida, pode ser definida como um conjunto de emoções vividas pelo consumidor nas interações com a empresa, produto, marca ou serviço, ao longo de sua jornada. Mas, como saber a relevância dessas interações na memória do cliente, quando precisam ser acessadas para tomar novas decisões?

Fique atualizado!

Assine nossa News e fique por dentro das principais matérias da Live University

Fique por dentro das principais tendências do mercado!

🚀 O evento começa em:

Dias
Horas
Minutos