[Case Unilever] Indústria 4.0 – Será que chegamos lá?

Viviane Burdinski

Viviane Burdinski

O termo Indústria 4.0 foi criado em 2011 durante a Hannover Messe, na Alemanha, Ele descreve um novo momento do cenário mundial, que será dominado pela tecnologia. 

Dentro da realidade brasileira, a indústria 4.0 ainda é considerada como um retrato para o futuro. É o que afirma Liu Tobias, Technology Executive Manager da Unilever, “em se tratando de realidade, eu gosto de chamar de indústria 3.9”. 

Quando tratamos de IOT (internet of Things), por exemplo, os países de primeiro mundo tem uma infraestrutura que permite um número de unidades muito mais avançado que o Brasil. 

Apesar das dificuldades  estruturais, diversas empresas têm investido e buscado soluções de tecnologia para melhorar o seu desempenho. A Unilever por exemplo, através do desenvolvimento de um conceito chamado de “torres inteligentes” conseguiu reduzir em 10% a emissão de gases na produção de produtos como sabão em pó. 

O profissional 4.0

 

Isso só é possível com a utilização de tecnologias como a Big Data. Porém, é um erro concentrar apenas no fator tecnológico o sucesso de um projeto como esse. “Um artigo do MIT mostra que 20% do sucesso da Indústria 4.0 é da tecnologia, e 80% vem de como as pessoas trabalham com ela. Isso nos traz uma reflexão. Será que temos profissionais com perfil adequado em Supply Chain para trabalhar com Big Data?”, questiona Liu.

A possibilidade de utilizar os recursos tecnológicos para diminuir custos e  acelerar processos, exige o perfil desse novo profissional. Somar novas habilidades aos conhecimentos técnicos já desenvolvidos ao longo da carreira forma o colaborador ideal para esse novo momento. Certamente aqueles que se buscarem essas novas competências agora, colherão bons frutos em um futuro bem próximo. 

Clique aqui para conferir a palestra na íntegra

 

Você pode gostar também:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Notícias do Mercado

Marketing em tempos de crise

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Vídeos

Supply Talks#02

No Supply Talks#02, os hosts Alex Leite e Cássio Azevedo tiveram um bate-papo com a convidada Mônica Granzo, Founder e CEO da Smarkets.

LiveCast#62

No LiveCast#62, os hosts Henrique Gasperoni e Alex Leite tiveram um bate-papo com a convidada Mariel Orsi Gameiro, Conselheira no CARF e com o co-host Ronaldo Apelbaum, CEO e Sócio Fundador da APGI Advogados

Supply Talks#01

No Supply Talks#01, os hosts Alex Leite e Henrique Gasperoni tiveram um bate-papo com o convidado Eduardo Nishimoto, Head Comercial e BU Supply na Autopel, empresa focada em prover soluções para automação em suprimentos.

3 PRINCÍPIOS para desenvolver novas competências com Alex Leite

Discutido por pensadores e profissionais, a competência é a capacidade resultante de profundo conhecimento que alguém domina sobre certo assunto, gerando benefícios para uma pessoa ou organização. Mas você sabe como adquiri-la?

Pico-fim e a experiência do cliente com Rafael Scucuglia

A experiência do cliente, de forma resumida, pode ser definida como um conjunto de emoções vividas pelo consumidor nas interações com a empresa, produto, marca ou serviço, ao longo de sua jornada. Mas, como saber a relevância dessas interações na memória do cliente, quando precisam ser acessadas para tomar novas decisões?

Fique atualizado!

Assine nossa News e fique por dentro das principais matérias da Live University

Fique por dentro das principais tendências do mercado!

🚀 O evento começa em:

Dias
Horas
Minutos