Análise e Identificação de Subprocessos

Bruno Soares

Bruno Soares

Todas as empresas de qualquer porte deveriam realizar gestão de fornecedores, porém os recursos são diferentes de uma empresa para outra e a identificação dos riscos também. Por exemplo, para uma empresa de revenda de material de escritório, os fornecedores desses itens são estratégicos. Além do melhor preço, eles devem demonstrar capacidade de entrega, qualidade, entre outros. Para a Sertras, que é uma empresa de serviços de pequeno porte, os fornecedores dessa categoria somente devem ser empresas legalmente constituídas, sem indícios de corrupção, lavagem de dinheiro ou desrespeito ao meio ambiente.

Por onde devemos começar?

Passo 1 – Análise de políticas internas: Toda empresa deseja trabalhar somente com fornecedores idôneos. Ser uma empresa idônea implica cumprir com todas as leis e obrigações do país, Estado e Município onde trabalhamos. É difícil fazer isso no Brasil, muitas empresas cometem falhas, mas isso não é justificativa para não cumprir com suas obrigações. Não é necessário criar uma política específica de gestão de fornecedores, no início somente é necessário que a política geral da empresa mencione  que não é tolerado trabalhar com fornecedores inidôneos. Esta ação já implica que as empresas devem estar legalmente constituídas, declarar seus impostos, possuir todas as autorizações obrigatórias e não se envolver em corrupção e lavagem de dinheiro.

Passo 2 – Identificar os processos que devem ser implantados:

Prospecção: Buscar fornecedores que realmente possam nos apresentar propostas e competir para obter os melhores preços com máxima qualidade. Nem sempre o mais barato é o melhor ou pior fornecedor. O importante é ter “braços” para buscar de forma constante novas opções no mercado.

Homologação: A homologação de fornecedores é o processo que busca garantir que os fornecedores são idôneos, que cumprem com as leis e, caso existam exigências específicas da sua empresa, que cumprem com elas também. Por exemplo, um fornecedor de serviços de engenharia que não tem informação negativa na mídia nem processos por corrupção, é idôneo se não possui registro no CREA vigente?

Compliance: Normalmente as empresas o consideram um processo independente, porém apesar de entendermos que o processo de compliance deva ser feito por pessoas fora da área de compras, não podemos considerar homologada uma empresa com alto risco de compliance sem autorização da alta gerência ou da área, caso ela exista.

ESG (Environment, Social, Governance): Inicialmente autodeclarações e questionários com evidências são suficientes para identificar como os nossos fornecedores se posicionam neste quesito, porém para os fornecedores estratégicos as auditorias em campo devem considerar o ESG como fundamental.

Gestão de Contratadas: Também conhecido como gestão de terceiros, é o processo que busca garantir que as empresas contratadas que utilizam mão de obra terceirizada respeitem os direitos trabalhistas dos funcionários, que incluem todos os aspectos de saúde e segurança e pagamento de salários e benefícios.

Auditorias em campo: Ao pensar em auditorias, é muito comum pensar em auditorias técnicas. Ver a cadeia produtiva, é ver o “chão da fábrica”. As auditorias devem ser amplas, considerar aspectos de qualidade, meio ambiente, responsabilidade social, compliance, LGPD, entre outros. Não é necessário auditar todos os fornecedores, mas é muito importante considerar os de categorias estratégicas. Nas auditorias em campo podemos garantir tudo o que foi feito na homologação, compliance e gestão de terceiros, além da verificação técnica que normalmente é feita pelos especialistas da área requisitante.

Avaliação de desempenho: Neste processo, garantimos que o fornecedor está entregando os produtos e serviços da forma que foi ofertado, além de identificar oportunidades de melhoria. As avaliações devem ser feitas pelo gestor do contrato, que é o usuário do serviço, e monitoradas de forma recorrente (mensal, quadrimestral ou semestral).

Todos os processos podem ser implementados em paralelo, sempre que existam os recursos humanos e técnicos.

Os serviços da Sertras incluem tudo o que a sua equipe precisa para realizar uma gestão de fornecedores de excelência. Disponibilizamos o conhecimento, experiência, tecnologia e equipe para realizar todos os processos de gestão de fornecedores, entregando informação validada em tempo real.

NÃO SE ENGANE. Não existe uma plataforma ou processo automático que faça gestão de fornecedores. Existem muitas ferramentas de informação, porém somente a Sertras organiza e analisa as informações para lhes entregar uma visão completa dos riscos e assim, auxiliar sua equipe na tomada de decisões.

Autor: Rodolfo Sandoval – CEO Sertras

Você pode gostar também:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Notícias do Mercado

Marketing em tempos de crise

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Vídeos

Supply Talks#02

No Supply Talks#02, os hosts Alex Leite e Cássio Azevedo tiveram um bate-papo com a convidada Mônica Granzo, Founder e CEO da Smarkets.

LiveCast#62

No LiveCast#62, os hosts Henrique Gasperoni e Alex Leite tiveram um bate-papo com a convidada Mariel Orsi Gameiro, Conselheira no CARF e com o co-host Ronaldo Apelbaum, CEO e Sócio Fundador da APGI Advogados

Supply Talks#01

No Supply Talks#01, os hosts Alex Leite e Henrique Gasperoni tiveram um bate-papo com o convidado Eduardo Nishimoto, Head Comercial e BU Supply na Autopel, empresa focada em prover soluções para automação em suprimentos.

3 PRINCÍPIOS para desenvolver novas competências com Alex Leite

Discutido por pensadores e profissionais, a competência é a capacidade resultante de profundo conhecimento que alguém domina sobre certo assunto, gerando benefícios para uma pessoa ou organização. Mas você sabe como adquiri-la?

Pico-fim e a experiência do cliente com Rafael Scucuglia

A experiência do cliente, de forma resumida, pode ser definida como um conjunto de emoções vividas pelo consumidor nas interações com a empresa, produto, marca ou serviço, ao longo de sua jornada. Mas, como saber a relevância dessas interações na memória do cliente, quando precisam ser acessadas para tomar novas decisões?

Fique atualizado!

Assine nossa News e fique por dentro das principais matérias da Live University

Fique por dentro das principais tendências do mercado!

🚀 O evento começa em:

Dias
Horas
Minutos