Alterações das regras brasileiras na possível adesão à OCDE

Viviane Burdinski

Viviane Burdinski

Fundada em 14 de dezembro de 1961 em Paris, França, a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) é uma Instituição Internacional, composta por 35 países membros. Ela reúne as principais economias do mundo e alguns países emergentes como Coreia do Sul, Chile,  México e Turquia.

As diretrizes de Transfer Pricing

Com o lema ‘’Melhores políticas para uma vida melhor’’, a OCDE traz diretrizes que precisam ser adotadas pelos países que fazem parte da Instituição. Uma delas, coloca como ponto de partida uma análise de que ponto uma empresa ocupa dentro de uma cadeia de valor. A partir daí há uma alocação de renda, dos lucros. Essa prática difere bastante da forma brasileira, em que o transfer pricing nasce com margens de lucro fixas pré-determinadas. Não importa o setor ou a função desempenhada. 

‘’Até um tempo atrás, se alegava que o tipo de preço de transferência no Brasil era uma simplicidade bem vinda, uma segurança jurídica necessária tanto para o contribuinte, quanto para Receita Federal’’, explica Fernanda Amaral, Head of Direct Tax, Transfer Pricing and Cross-border Tax Planning na Louis Dreyfus Company. Porém, em 2017 quando o Brasil manifestou o desejo de fazer parte da OCDE, consequentemente podemos entender que haverá a necessidade de uma mudança completa nessas diretrizes. 

Muitos acreditam que já iniciamos nosso processo de adesão, entretanto, isso só se inicia a partir do momento em que as mudanças necessárias sejam adotadas. Mesmo após feitas todas as adequações, essa entrada costuma ser demorada, levando muitos anos. Portanto para nós, essa é uma ideia ainda bem distante, mas que pode trazer grandes benefícios para as empresas nacionais. 

 Clique aqui para assistir a palestra na íntegra

 

Você pode gostar também:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Notícias do Mercado

Marketing em tempos de crise

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Vídeos

Supply Talks#02

No Supply Talks#02, os hosts Alex Leite e Cássio Azevedo tiveram um bate-papo com a convidada Mônica Granzo, Founder e CEO da Smarkets.

LiveCast#62

No LiveCast#62, os hosts Henrique Gasperoni e Alex Leite tiveram um bate-papo com a convidada Mariel Orsi Gameiro, Conselheira no CARF e com o co-host Ronaldo Apelbaum, CEO e Sócio Fundador da APGI Advogados

Supply Talks#01

No Supply Talks#01, os hosts Alex Leite e Henrique Gasperoni tiveram um bate-papo com o convidado Eduardo Nishimoto, Head Comercial e BU Supply na Autopel, empresa focada em prover soluções para automação em suprimentos.

3 PRINCÍPIOS para desenvolver novas competências com Alex Leite

Discutido por pensadores e profissionais, a competência é a capacidade resultante de profundo conhecimento que alguém domina sobre certo assunto, gerando benefícios para uma pessoa ou organização. Mas você sabe como adquiri-la?

Pico-fim e a experiência do cliente com Rafael Scucuglia

A experiência do cliente, de forma resumida, pode ser definida como um conjunto de emoções vividas pelo consumidor nas interações com a empresa, produto, marca ou serviço, ao longo de sua jornada. Mas, como saber a relevância dessas interações na memória do cliente, quando precisam ser acessadas para tomar novas decisões?

Fique atualizado!

Assine nossa News e fique por dentro das principais matérias da Live University

Fique por dentro das principais tendências do mercado!

🚀 O evento começa em:

Dias
Horas
Minutos