Viviane Burdinski

Viviane Burdinski

Diferente de outras administrações tributárias, a Receita Federal sempre assume, dentro do que é possível, uma posição de transparência, mostrando os pontos de atenção e as principais diretrizes de fiscalização. Essa prática, traz para as empresas diversas reflexões,  trazendo medidas importantes de adequação que deverão ser trabalhadas. 

O Plano Anual de Fiscalização é uma dessas iniciativas, que promovem a autorregularização e a conformação à legislação tributária, além de apontar tendências do setor. “Nos últimos dois anos, a maior ênfase é sobre o aperfeiçoamento do cruzamento de informações”, afirma Tatiane Martins, Gerente de Tributos Diretos, Contencioso e Paralegal, Dia Brasil.

A necessidade de um Planejamento Estratégico

Para os profissionais da área, o foco está no monitoramento dos grandes contribuintes, que representam cerca de 60% da arrecadação total. Isso traz uma demanda adicional às que já são exigidas. Apesar da Receita Federal ter avançado bastante no uso da tecnologia para esse monitoramento, ainda não há um planejamento estratégico na criação das obrigações acessórias e nos cruzamentos de informações. 

Muitas vezes os novos padrões adotados exigem uma mudança completa no sistema de trabalho das equipes, e após toda a adequação, não há uma melhora significativa no processo. “É preciso entender que toda essa criação sem um planejamento estratégico traz um custo alto para empresa, que precisa ter algum sentido”, explica Silvia Tomazette, Head of Taxes, Volkswagen do Brasil. Esse ciclo de frustração, muitas vezes afeta o profissional de tax, que fica sem argumentos para justificar os investimentos que muitas vezes são necessários. 

Por outro lado, ignorar esses movimentos pode trazer graves consequências, a partir do momento em que uma mudança é adotada e a empresa não corre atrás para se adequar no tempo hábil.  

Clique aqui para assistir a palestra na íntegra

 

Você pode gostar também:

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Notícias do Mercado

Marketing em tempos de crise

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Home Office: como ser produtivo?

Todas as áreas das empresas precisam acompanhar e usufruir o que a tecnologia tem para oferecer. Esta é uma das premissas…

Fonte: Meio e Mensagem

Vídeos

Supply Talks#02

No Supply Talks#02, os hosts Alex Leite e Cássio Azevedo tiveram um bate-papo com a convidada Mônica Granzo, Founder e CEO da Smarkets.

LiveCast#62

No LiveCast#62, os hosts Henrique Gasperoni e Alex Leite tiveram um bate-papo com a convidada Mariel Orsi Gameiro, Conselheira no CARF e com o co-host Ronaldo Apelbaum, CEO e Sócio Fundador da APGI Advogados

Supply Talks#01

No Supply Talks#01, os hosts Alex Leite e Henrique Gasperoni tiveram um bate-papo com o convidado Eduardo Nishimoto, Head Comercial e BU Supply na Autopel, empresa focada em prover soluções para automação em suprimentos.

3 PRINCÍPIOS para desenvolver novas competências com Alex Leite

Discutido por pensadores e profissionais, a competência é a capacidade resultante de profundo conhecimento que alguém domina sobre certo assunto, gerando benefícios para uma pessoa ou organização. Mas você sabe como adquiri-la?

Pico-fim e a experiência do cliente com Rafael Scucuglia

A experiência do cliente, de forma resumida, pode ser definida como um conjunto de emoções vividas pelo consumidor nas interações com a empresa, produto, marca ou serviço, ao longo de sua jornada. Mas, como saber a relevância dessas interações na memória do cliente, quando precisam ser acessadas para tomar novas decisões?

Fique atualizado!

Assine nossa News e fique por dentro das principais matérias da Live University

Fique por dentro das principais tendências do mercado!